Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

a thousand books

Qui | 15.07.21

Review | Raparigas Selvagens

| Com 2,5* |

RaparigasSelvagens.jpg

Sem rodeios. Não foi uma boa experiência literária. E, por isso, não recomendo. Uma distopia muito fraquinha. Com uma narrativa pouco consistente. A sinopse promete. E cria falsas expectativas. Porque em trezentas e setenta e nove páginas, é apenas na página duzentos e nove que a história começa a avançar. E muito devagar, sem qualquer intensidade. Isto numa distopia de sobrevivência, em Raxter, uma ilha posta em quarentena, devido a algo tão desconhecido quanto sangrento, é uma falha grave.

 

Uma distopia em que todos os acontecimentos são pouco explorados, perdendo densidade ao longo da história. A epidemia e os seus efeitos. A tentativa de sobrevivência de todas aquelas raparigas apanhadas por um vírus desconhecido. A comunicação com o exterior e o Turno do Barco. As escolhas controversas das duas professoras que até então resistiram aos efeitos mutilantes deste vírus. E as relações tóxicas que se foram estabelecendo numa ilha isolada. Enfim, uma distopia que até poderia ter resultado numa série e que ficou muito aquém.